top of page
  • Foto do escritorSINCERGS

A importância dos sindicatos, em especial no segmento clubista

Salatiel Pereira Campos

Empresário, pós-graduado em Gestão de Pessoas e em Gestão de Negócios, cursando atualmente MBA em Gestão de Clubes e exercendo o mandato de presidente do Sindicato dos Clubes Sociais do Estado do Pará.

Salatiel Pereira Campos será um dos participantes das Mesas-Redondas do 22º Congresso Gaúcho de Clubes



Historicamente, o sindicalismo no Brasil surgiu no final do século XIX quando os operários insatisfeitos com suas condições de trabalho, começaram a se unir para questionar e lutar pelos seus direitos, formando os primeiros sindicatos no país. Durante a Era Vargas houve a concretização do sindicalismo nacional. Sendo em 1930 criado o Ministério do Trabalho e em 1931 ocorreu a regulamentação da sindicalização operária e patronal.

Por oportuno destacamos que o sindicalismo se divide em Laboral e Patronal, sendo o primeiro aquele que representa a categoria profissional dos empregados, e o segundo aquele que representa a categoria econômica, ou seja, os empregadores/empresas.


Os sindicatos têm as suas atribuições constituídas legalmente pelo Ministério do Trabalho e

Emprego, sendo uma delas a efetiva relação anual entre os sindicatos laborais e patronais, na qual os representantes dos Patrões e dos Empregados se encontram para buscar o Acordo Coletivo ou a Convenção Coletiva de Trabalho, que contemplam o conjunto de regras que regulamentarão a rotina de relacionamento entre as partes para os próximos 12 meses após assinatura do documento acordado.


Considerando as mudanças no comportamento da sociedade, que passou a ser mais exigente na busca de melhor atendimento e de novos serviços com mais qualidade, os clubes sentiram a necessidade de se readequar a fim de preservar as suas histórias e garantir a sobrevivência, desenvolvendo novas ofertas de serviços visando cativar e fidelizar os seus Associados.


Neste momento, o foco se concentra nas demandas que o mundo moderno trás para que as relações patrão/empregado sejam cada vez mais racionais e produtivas, visando o crescimento e o desenvolvimento das empresas e a consequente sustentabilidade e a geração de novos postos de trabalho.


Nesse momento é que o SINDICATO PATRONAL assume a responsabilidade de gerar novas oportunidades para os seus clubes filiados, principalmente através de treinamentos e capacitação dos Dirigentes para que estes, com visão empreendedora e gestão mais participativa e transparente, possam assumir a busca de novos serviços que atendam aos anseios dos Associados dos seus clubes.


Nessa linha de atuação, os sindicatos devem atuar para estimular o elo de ligação entre os

dirigentes de clubes e os colaboradores para que possam efetivar os novos serviços que a

sociedade tanto anseia para os seus momentos de lazer.



5 visualizações0 comentário
bottom of page